Page archived courtesy of the Geocities Archive Project


Díario de Liz

MLwindowpic.jpg (18623 bytes)

  

     "23 de setembro. Primeiro registro.
 Eu sou Liz Parker e a cinco dias atrás eu morri. Depois disso, tudo  ficou muito estranho.
   Pude sentir tudo o que ele sentiu...senti a solidão dele. pela prime- ira vez eu podia realmente ver Max Evans.
 Eu me via como ele me via, e o incrível é que nos olhos dele eu era bonita. Ele pôs uma  força sobre mim. É como se toda a minha vida mudasse em um segundo. É tão irônico, que quando isso finalmente aconteceu comigo, foi com um alienígena.
 Hoje é 24 de setembro, eu sou Liz Parker e a cinco dias atrás eu morri, mas ai aconteceu uma coisa incrível: eu nasci de novo."
 
  "Piloto"



  
"27 de setembro.
   Eu sou Liz Parker, e nunca mais vou olhar para as estrelas no céu
do mesmo jeito. Na ver- dade nunca mais vou olhar pra nada do
mesmo jeito.
   O que o Max Evans quis dizer, quando falou : "A gente se vê na es- cola?"- Será...eu não vou conseguir respirar até que a gente se encon
tre de novo? Ou será que foi simplesmente uma coisa que a gente diz para preencher o tempo?
   E o que será que ele está pensando agora? Será que ele também es- tá   obsecado, se sentindo torturado, passando noites e noites sem dormir pensando o que vai acontecer com a gente?...O que você não pode negar sobre esses tchecoslovacos é que eles tem esses olhos in- crivelmente expressivos...
   Desde que descobri sobre o Max, Michael e a Isabelle tenho pensa- do muito nesses segredos. Que para todos que tem um segredo exis- te alguém que precisa conhecer esses segredos. E as vezes as pessoas se sentem unidas em torno de um segredo. E as vezes um segredo faz você pensar que também faz parte disso.
   E agora, até mesmo eu, Liz Parker, a menor das menores garotas daqui, com a mais simples das vidas até eu tenho alguma coisa pra esconder."
   "A manhã seguinte "              



 "Escutando a Topolky de repente percebi que não era com o meu fu- turo que eu estava   preocupada.. O meu futuro estara repleto de todo tipo de promesas, se eu conseguir resolver o meu presente.
   O futuro estava sempre tão claro pra mim. um caminho direto pa- ra os meus objetivos. Nunca contei com imprevistos, acho que é isso que torna a vida interessante, manter-se aberta, deixar as pessoas novas chegarem, mudar de opinião, não ter medo do inesperado."'  

"Monstros"



   "Hoje é 19 de outubro, eu sou Liz Parker, e estive pensando nisso: "Será que a vida pode voltar ao normal ?"
   Parte de mim quer segurança, quer voltar como as coisas eram antigamente, para uma vida que eu pudesse prever, onde eu possa saber o que vai acontecer, e a outra parte de mim quer ir para  ou- tro lugar, para o desconhecido.
   O difícil sobre seguir seu coração é que as pessoas deixam de dizer que as vezes seu coração a leva a lugares que não deveria, lugares que são tão exitantes quanto assustadores. Tão perigosos quanto se- dutores. E as vezes seu coração a leva a lugares onde nunca haverá
um final feliz.
   E essa não é nem a parte difícil. A parte difícil é que quando você dá adeus a normalidade, você entra no desconhecido , e uma vez que tenha feito isso, não pode voltar atrás."   

"Adeus a normalidade"



  "É engraçado como o mundo muda as vezes. Como as ruas em que você andou sua vida inteira de repente parecem mais escuras, mais frias. Como o silêncio já não é mais o mesmo. Como olhos que você quase nem notava, agora estão voltados pra você.
  Como o caminho de casa a noite não é mais uma rotina e sim uma aventura. E então você de repente você começa a pensar em tudo no- vamente.
 28 de outubro, deixei de escrever por alguns dias. Mas na minha ausência estive pensando em algumas coisas. Sobre a vida antes de Max Evans me salvar. Sobre como eu costumava rezar para que algo acontecesse, algo que mudasse a minha rotina,, sabe? Dessa coisa de escola e trabalho, algo que fizesse uma cidade pequena se sentir grande. Que fizesse uma garota de uma cidade pequena se sentir grande também. E desde que tive meus desejos realizados e Max Evans remendou um buraco de bala cinco centimetros abaixo das minhas costelas , descobri uma coisa: Quanto maior fica o seu mun- do, maiores se tornam os seus problemas."'  

"Desaparecido"


   "Ouvindo as palavras do senhor Summers, percebi como deve ser estranho para Max ,a Isabel e o Michael nem conhecerem sua pró- pria   história, e como deve ser assustador se alguém descobrisse an- tes deles
  " Hoje é dia 11 de Novembro, eu sou Liz Parker. Não existe mais ló- gica nenhuma. Os meus planos de ontem a noite eram: terminar o meu turno, jantar com meus pais, falar com Maria no telefone por meia hora, depois mergulhar nesta questão de geometria, e se pos- sível, terminar tudo a tempo de assistir o programa com a biogra- fia de Madame Carring. No en- tanto, eu sai por ai em um carro ao céu aberto, que para inicio de conversa, nem deve ter permissão para andar na estrada. Invadi uma casa, roubei coisas delas e fiz contato com alienígenas. Sejam bem vindos ao meu mundo"
"Rodovia 285 sul"  


  
   "Você já teve um momento em que está com uma pessoa que gosta- ria e que o vento está soprando por entre seus cabelos e a música que tem tudo a ver com você começa a toar? E quando a pessoas com que você quer estar também gosta da mesma música e de repente você percebe que estão ouvindo juntos? E que não importa sua vida  ter ficado uma loucura. Existe esse momentos, esse momentos perfei- tos onde se pode dizer que não importa o que a- conteça, nada vai tirar esse momento de mim...E entãoalgo acontece.
   Momentos: É impressionante como um momento pode mudar as coisas tão radicalmente. Como a decisão de um cavalo arisco de a- travesara rua naquele momento exato pode ser responsável pelo Max ter sido descoberto. Preciso se mais um minuto agora, mais u- ma chance de tentar mudar a direção, tentar evitar que uma coi- sa ruim se transforme em outra ain- da pior"
"Irmãos de sangue"

   "Hoje é dois de dezembro e eu sou Liz Parker, e essa onda de calor deixou todo mundo louco. O calor aumenta, derreta as coisas faz as coisas ferverem, põe fogo nas coisas. E ao ver os efeitos desse calor ao meu redor, só percebo de forma assustadora o quanto a minha vida não estava se expandindo, que eu estava presa."
   "O calor finalmente passou e sou provavelmente a única pessoa em Roswell que não foi beneficiada por ele, mas achei melhor assim, por- que se o Max Evans e eu tivéssemos caído em tentação, se a gente tives- se se beijado pelo menos uma vez isso teria nos levado a um lugar que ambos sabemos que não devemos chegar."
" Uma onda quente"


   "Tem certos dias em que tudo parece estar errado, quando as pe- quenas coisas te chateiam com a maior facilidade, mas tem dias como hoje, em que o mundo inteiro canta para você, desde o minu- to em que você abre os olhos pela manhã até o minuto em que você fecha os olhos a noite. Dizem que você até gosta de limpar a máqui- na de fazer Milk Shake"
   Tenho sido aquela que é forte em tempos de crise. Faço o que é ne- cessário, não entro em pânico, mas ver o Michael tão doente e sem poder saber o que estava errado ou como ajudar me deixou com me- do. Medo de que algum dia algo pudesse acontecer com o Max e eu não soubesse como ajudar alguém que significa tanto para mim... Alguém que significa tanto"
"O Balanço"
1