The Doors
L.A.Woman

Pablo Aluísio



L.A.Woman (1971)
Local: Aquarius Theatre / Local: Hollywood, Los Angeles / Data: 1970 / Foto: Elian Martinson / Texto: Pablo Aluísio / Nota: O disco final da banda The Doors, "L.A.Woman", foi gravado em oito canais entre dezembro de 1970 a fevereiro de 1971, no Doors Workshop (Hollywood, CA). Esse era um estúdio pequeno, improvisado no escritório do grupo. Logo no começo dos ensaios Jim percebeu que o som ficava ótimo dentro do banheiro e sugeriu que toda a banda fosse para dentro do sanitário! Com a recusa dos demais membros da banda, o Rei Lagarto não se fez de rogado, gravou todas as faixas sentado em um banquinho ao lado da privada... O disco foi lançado oficialmente nos EUA no final de abril de 1971. A produção ficou com Bruce Botnick e os próprios The Doors. Panelinha nativa. Mesmo contendo três das canções mais famosas dos Doors (a faixa título, Love Her Madly e Riders on the Storm) e ter sido um dos discos mais vendidos da banda (fazendo deles o primeiro grupo de rock americano a receber sete discos de ouro consecutivos), "L.A. Woman" é uma obra que pode não ser rapidamente digerida pelos admiradores do grupo. Como Morrison Hotel já dava sinais, os Doors haviam se transformado mais do que nunca numa banda de blues, e esse último lançamento é basicamente todo dedicado a esse estilo. A diferença pode ter sido acentuada com a saída do produtor Paul Rothchild, que não gostou do que ouviu nos ensaios das novas canções e decidiu se afastar dos Doors. Assim, resolveram produzir a si mesmos com o auxílio de Bruce Botnick, que havia sido o engenheiro de gravação dos outros discos, e prepararam o novo álbum em um estúdio improvisado no escritório da banda. Num ambiente calmo e familiar (os vocais eram feitos no banheiro, que possuía uma melhor acústica), prepararam as faixas no chamado "estúdio ao vivo", onde todos os instrumentos são tocados e gravados ao mesmo tempo, como num show. O resultado foi simples e excelente, uma grandiosa despedida de Jim Morrison. Curiosidade: o nome Mr. Mojo Risin', repetido diversas vezes durante a canção L.A. Woman, é um anagrama de Jim Morrison. Reordenando as letras é possível formar o nome do vocalista. Além disso é o nome de uma entidade de vodu, muito em voga na cidade de New Orleans, no sul dos EUA. Singles nas lojas: "Love her madly / Don't go no farther" - Em março de 1971 os Doors lançaram seu penúltimo single. O interessante deste compacto simples foi a escolha de uma das canções do disco como lado principal. "Love Her Madly" não tem a importância de "Riders on the Storm" ou ainda "L.A.Woman", mas foi ela a eleita para figurar como música "carro chefe" do disco. Não a considero uma canção altamente relevante dentro da discografia da banda, mas me parece que ela foi escolhida por ser a mais comercial, a mais fácil de ser digerida pelas rádios americanas. No lado B desse single temos uma música que hoje em dia é considerada uma verdadeira raridade. Se você já ouviu "Don't go no farther" por aí se considere privilegiado pois essa faixa sumiu da discografia da banda após seu lançamento nesse single. "Riders on the storm / Changeling" - Em junho de 1971 o grupo lançou o segundo single extraído deste disco. "Riders on the Storm" é uma canção visceral, excepcionalmente bem produzida e que mostra que em poucos anos o grupo atingiu uma maturidade precoce. A letra é bem emblemática e mostra como o cinema influenciou o trabalho poético de Jim, basta ler a letra e ver como tudo se desenrola como um verdadeiro roteiro de um filme, uma cena rápida, bem ao estilo de alguém que frequentou uma escola de cinema, um verdadeiro outsider cinematográfico. Bem, essa canção dispensa maiores comentários, nem vou relembrar o fato dela ter sido inspirada em um fato real ocorrido com Jim em sua infância, quem assistiu ao filme de Oliver Stone, sabe do que estou falando, por isso não vou me repetir aqui. Em suma, essa música é vital, essencial na história do Rock Mundial. No Lado B do single foi colocada "Changeling", um blues ao velho estilo. Todos concordam em um ponto, "L.A.Woman" é basicamente um trabalho de Blues. Jim poderia até mesmo ter chamado esse disco de "The Doors Blues Album" se quisesse. É uma faixa forte, recomendada para bluesmen inveterados.

Enquanto isso, fora dos estúdios...
Os Doors estavam fartos! Depois de tudo o que rolou com a banda, os processos e tudo mais, os quatro procuravam um modo de recolocar as coisas no lugar, A idéia era gravar um disco simples, um disco de blues, sem superproduções, algo bem cool! A verdade era que a esta altura Jim já não se sentia à vontade nos palcos, e os outros integrantes não se sentiam à vontade com Jim. Por tudo isso, os Doors decidiram levar os planos iniciais em diante e começaram a gravar um novo material em estúdio e dar uma longa pausa nas apresentações ao vivo. Em 29 de agosto tocaram no festival da Ilha de Wight (único grande festival de que participaram) e no dia 12 de dezembro fizeram seu último show com o vocalista, no The Warehouse, em Nova Orleans. Em seu livro, o tecladista Ray Manzarek relata que enquanto tocava de olhos fechados a parte instrumental de Light My Fire, sentiu que Jim havia deixado o palco, como fazia várias vezes durante essa passagem. Quando olhou, ele ainda estava de pé junto ao microfone. Foi ali que notou que Jim realmente havia perdido seu vigor e energia, e os Doors estavam realmente no fim. O disco "L.A. Woman" foi lançado em abril de 1971, produzido pela primeira vez pelos próprios Doors e gravado num estúdio improvisado no escritório do grupo. Dias antes do álbum chegar às lojas, Jim embarcou para a França com sua namorada Pamela, visando ficar em Paris por alguns meses. No dia 3 de julho foi encontrado morto na banheira do apartamento onde estava hospedado. As únicas pessoas que viram o cadáver foram Pamela e o médico legista, que deu como causa de morte ataque cardíaco. Não se sabe e nunca se saberá ao certo os verdadeiros motivos da morte de Jim Morrison, e por isso mesmo há intermináveis rumores dizendo que ele forjou sua morte para fugir das problemas da fama. De qualquer forma, L.A. Woman estourou depois da morte de Morrison, e há quem diga que foi o mais vendido da carreira da banda. Seu corpo nunca voltou da capital francesa. Está até hoje enterrado no cemitério Père-Lachaise, junto com os de personalidades como Frederich Chopin, Alan Kardec e Balzac. Seu túmulo é o mais visitado de todos, e várias vezes já foi cogitada sua extradição para os EUA, em virtude da baderna que seus fãs fazem no local. Festas regadas a álcool e drogas e casais que usam o lugar para fazer sexo (como no filme Um Lobisomem Americano em Paris) convivem em paz com os rabiscos em sua lápide. Mesmo com a morte de Jim, os outros três integrantes decidiram continuar juntos e manter o nome da banda. O primeiro disco dessa fase se chamou Other Voices (1971), remetendo ao fato de que os cantores seriam outros, mais precisamente Robby e Ray, que revezavam nos vocais. Apesar do disco não ter feito muito sucesso, a banda entrou em turnê e em 72 lançou Full Circle. O título já mostrava que eles não pretendiam mais seguir em frente. O círculo estava fechado, os Doors haviam encerrado carreira




The doors "L.A.Woman" (Pablo Aluísio) - contato: [removed] - Maio 2003

1


Page archived courtesy of the Geocities Archive Project https://www.geocitiesarchive.org
Please help us spread the word by liking or sharing the Facebook link below :-)